Secretária de Desenvolvimento Social de Angra fala sobre desafios do setor

À frente do setor de Desenvolvimento Social e Promoção da Cidadania desde janeiro deste ano, a advogada Célia Amorim Jordão (foto) enfrenta dois grandes desafios: reorganizar um setor que, segundo ela, foi sucateado nos últimos anos; e o grande número de pessoas que dependem da assistência pública na cidade. Em entrevista exclusiva, Célia, que já teve longa passagem pela função, explicou ao Tribuna Livre, que tem orgulho das ações que já implementou e que o trabalho hoje é recolocar estas políticas em pleno funcionamento.

— Foi no meu período anterior que a Assistência Social deu o grande salto na cidade, com a abertura dos Centros de Referência (CRAs), a criação da Casa Abrigo e equipamentos e serviços para milhares de pessoas. Além de políticas que estavam interrompidas quando retornei agora — lamenta ela.

Servidora efetiva da Câmara Municipal, Célia retornou à função de secretária após oito anos distante das atividades públicas na cidade. Sua nova atribuição inclui, além da representação de primeira-dama, o serviço de atendimento à população mais carente. A secretária é crítica à falta de continuidade nas políticas públicas. Queixa-se, por exemplo, de que ações iniciadas na sua gestão anterior (até 2008) foram paralisadas nos governos seguintes. Até equipamentos teriam desaparecido, ela conta. Reconstruir a politica de assistência social na cidade é a tarefa imediata. Depois ampliar, apesar de ela própria admitir que o momento do município não ajuda, por causa da escassez de recursos.

— O gestor público não é dono da coisa pública. Ele está ali para servir. Quando a gente deixa uma função, nossa maior felicidade é ver que houve continuidade no que é bom. A descontinuidade no serviço público é muito ruim. O que mais me chateou quando voltei agora foi esse descompromisso com a população — comenta.

Público — Angra dos Reis tem cerca de 21 mil famílias no cadastro da assistência social, o CadÚnico. São famílias que recebem benefícios eventuais ou permanentes ou que estão em situação de risco social. Em números absolutos, seriam cerca de 60 mil pessoas nestas situações. Um número que corresponde a quase um terço da população angrense.

Reverter isso não é tarefa exclusiva da assistência social, claro. A retomada do emprego, por exemplo, depende de ações de governo que a primeira-dama crê que já estão em andamento na prefeitura.

Eleições — A secretária também admitiu pela primeira vez que pode disputar, como candidata, as eleições legislativas do ano que vem. Mas deixou claro que sua prioridade antes da pretensão político-eleitoral são as ações no campo da assistência.

— Neste momento o nosso desafio é resgatar os equipamentos e a política de assistência no município. Encontrei este ano um quadro bastante caótico que estamos revertendo com muito trabalho — explica Célia.

Cautelosa, ela tenta evitar qualquer interpretação eleitoral de suas ações, mas, claro, admite que pode ser candidata a deputada estadual com vem sendo veiculado. Para Célia, a região perde muito em representatividade e oportunidades por não possuir um representante legítimo na assem-bleia estadual. Apesar de seus quase 200 mil eleitores, a cidade não tem deputado estadual desde 2007.

— Estou há 21 anos no serviço público e posso contribuir ainda mais atuando em outra frente. Sempre ajudei candidatos de outras cidades mas hoje, na condição que o município está, acho que não devíamos abrir mão dessa representação — resumiu ela.

Foto: Divulgação / PMAR

Siga-nos no Facebook

Publicado antes na edição 197 do jornal Tribuna Livre.

GOSTOU DESTE TEXTO?

Assine o jornal Tribuna Livre e receba em casa a nossa edição impressa. Clique aqui e saiba como.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *